sábado, 20 de outubro de 2012

amargo sabor


Vivo momentos de liberdade. Livre de suas palavras, livre de suas complicações, livre de seus sentimentos confusos e suas indecisões. Meus pensamentos voam libertos das memórias, sem o cheiro, o toque, o calor... Não me renderei ao amargo sabor da solidão. Deixo-o com você dessa vez.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Segundos Eternos


Apronto os pés em direção a porta. Vejo aquele caminho agora estranho. Um caminho gélido, abandonado, desconhecido. Olho para trás e desejo o conforto de casa, do meu quarto, da minha cama, das pessoas ao meu redor. Balanço a cabeça e espalho tais pensamentos. A rua a frente a espera de pés que possam caminhar e talvez correr sobre ela. O medo invade meu corpo, me faz tremer. Medo das possibilidades? Talvez! O primeiro passo sempre é o mais difícil, mas nunca impossível. Outra vez recordo tudo que tenho do lado de dentro, tudo que me envolveu com carinho naqueles momentos difíceis, deixo as lembranças invadirem e se deliciarem com a minha insegurança. Tudo dura segundos, porém eternos. É hora da decisão. Vou ou não vou? Revejo a lista de prós e contras, que por sinal tem os prós em muito mais quantidade que os contras. Indecisão. Viro, viro rápido na intenção de voltar para o quarto e esquecer essa loucura. Mas, no calor do movimento meus pés falham e se deixam levar pela água que formou uma pequena poça no batente da porta. Escorrego e meu corpo vai em direção ao chão com uma força incrível. Doeu, doeu muito. Mais alguns segundos eternos passam enquanto fico ali, no chão, sentado naquela poça. De repente me recordo das dores, dos gritos, do sofrimento que vivi lá dentro. Quero continuar com essas crises? Não. Quero passar o resto da vida em prol das sombras? Não. Quero continuar ligado a ele? Não. E o que eu quero, afinal? Quero uma vida. Quero risadas. Quero pessoas. Quero amizades. Quero amores. Quero sentir. Quero tantas coisas...
Me levanto, passo a mão no bumbum em um movimento de limpeza, ajeito o cabelo e vou. Caminho em direção ao desconhecido, outra vez.



...

         As vezes machucar as pessoas é a única maneira de evitar possíveis novas desilusões.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Outra vez sentado!

E lá estava ele, sentado na beira da janela, mais uma vez comparando sua vida com aquela linda noite de verão repleta de estrelas, nuvens e aquela lua. Entretanto, tinha a certeza que sua vida nada se parecia com aquela noite. Sua vida era mais sombria, nada de estrelas, de nuvens e muito menos uma lua pra ser admirada.

Uma espera por algo que nunca vai mudar.

Passei um certo tempo a espera de certas palavras. Palavras de admiração, reconfortantes, de carinho, de sinceridade...Imaginei momentos em que elas saltariam de seus lábios em direção aos meus ouvidos por muitas vezes. Me deixava levar pela forma que elas conquistavam e me faziam sentir seguro. Palavras sussurradas com desejo me aqueciam a alma, me transformava e fazia pensar em novas possibilidades. A esperança de sentir outra vez iluminada por palavras de amor.
Demorada e acompanhada de fracassos necessários, assim foi a minha espera pelas tais palavras. Afinal, como já dizia o ditado: "Quem espera sempre alcança."
Hoje, pelo que parece, essas palavras estão prontas para serem ditas. Porém, não anseio por esse momento como antes, não anseio por ele de jeito algum. Com você, as coisas são como são. Tudo está em seu devido lugar.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Vai e Volta...

Ouço seus sussurros, sua respiração ofegante, sua risadinha tímida, sinto aquela mão na minha perna, vejo aquele brilho estrondoso nos seus olhos e isso me parte o coração. As lembranças são sentimentos que nos ajudam a continuar de pé. Mas, me parece que elas esqueceram desse detalhe, no mínimo, importante. Eu sei que um dia melhora, eu sei que um dia passa, eu sei que um dia vou dar risadas - enormes, duradouras e daquelas que doem a barriga- disso tudo. Porém, enquanto esse "um dia" não se aproxima, continuo aqui, tentando suportar, parecer bem, tentando te apagar diversar vezes da minha cabeça. Já cai várias vezes e todas foram por um único motivo, você. Recuperações são difíceis e exigem dedicação, todavia me passa pela cabeça se elas são mesmo necessárias. E também, como vou saber se realmente estou recuperado? Afinal, já me recuperei outras vezes não é?

terça-feira, 15 de maio de 2012

Um outro lado

Uma mente quieta, sem voz, respiração e nem mesmo vez. Sentimentos secam a velocidade de uma lesma cansada. A dor que antes gritava desesperada por atenção hoje dorme um sono profundo de desgaste. Sou um corpo oco, sem esperança, nada de felicidade, nada de alegria, nada de desejo. Vejo a vida passar repleta de ilusões e deixo que ela me distraia com suas histórias clichês. Sonhos contrários, lembranças passadas...memórias de um outro lado.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Corro, corro longe.


Eu não me importo. Eu não preciso de você. Não preciso de seus braços. Sua imagem reflete o que eu não amo. Seja qual for o recurso, os pedidos de socorro, sobretudo, não olhe para trás. Corro, corro longe. O caminho é longo. 


-Pas Besoin De Toi, Joyce Jonathan.

domingo, 13 de maio de 2012

Espalhado por todos os lados





Te esperei tempo demais. Mantive a chama das lembranças acessa, firme e forte por todos esses dias e meses. Talvez tudo esteja em seu devido lugar, talvez a gente não deva ficar junto. Te manter vivo não é a coisa certa a fazer. Dizem que tudo acontece por uma razão e agora, começo a acreditar que seja verdade. Esse é o caminho certo, eu preciso dizer adeus a nossa história, a nossa relação. Cansei de esperar pelo "um dia acontece". Pedaços de mim estão espalhados por aí. Agora é hora de sair catando todos eles e torcer que consiga colá-los.

Mantê-la viva?

Me diz o que faço com essa esperança que insiste em sobreviver aqui dentro. A noite, na cama, ela domina meus pensamentos. Na madrugada ela me acorda, e me faz verificar o celular. De manhã, ela me causa dor. Eu não quero. Na verdade, eu não consigo mais.

O doce amargo gosto da saudade


Abri os olhos e olhei as horas. Duas da manhã. Exausto observei as sombras que se moviam no teto do quarto. Sombras sem formas definidas se movimentavam rapidamente acima da minha cabeça. Me agarrei aquelas estranhas formas na ilusão de distrair meus pensamentos. Com essa já se contavam quatro noites sem um sono tranquilo.
Fechei os olhos outra vez e depois de alguns segundos lá estava ele novamente, sorrindo com aquele sorriso de cem watts, a barba por fazer, os cabelos despenteados incrivelmente lindo e fofo. Por um instante acreditei naquele delírio, só por um instante. Um enorme e apaixonado eu te amo saltou de seus lábios. Aquelas palavras me fizeram estremecer. Abri os olhos com um salto, sentado na cama, passei as costas da mão na testa limpando o rio de suor que se acomodava ali. Confuso, observei a noite pela janela enquanto lágrimas escorriam pelo rosto e rolavam até os lábios lembrando o doce amargo gosto da saudade.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Dizendo adeus a Expectativa

O tempo de criar expectativas passou. Você teve duas chances, e nas duas,  fez besteira. O normal nisso é esquecer, mas quem disse que é o certo? Acredito em várias chances, outras oportunidades. Acredito nas mudanças das pessoas. Pois é, eu acredito. E quanto a essas pessoas? Elas acreditam que podem mudar? Que podem construir um recomeço? A maioria delas acredita. Porém, são apenas palavras sem significado que saltam a boca. Onde minha cabeça, meu senso e dignidade foram parar? Uma terceira chance? Tá brincando, né? Outra vez por acreditar que a Imaturidade pode se tornar Maturidade bati a cara na porta. Sem problemas, são coisas que acontecem e vão acontecer. Não comigo, não mais. Ir fundo nas minha decisões é o que deve importar daqui pra frente.

sábado, 14 de abril de 2012

Tarde demais

Lá vem aquela dor! De mansinho ela se aproxima, rodopia as pernas, acaricia os pés, lambe e até ronrona timidamente à espera de um cafuné, conquista e faz querer pega-la no colo. Aos poucos ganha confiança e em um descuido...o golpe. Mortal e certeiro. Garras longas, negras e afiadas me acertaram. O sangue percorria meu peito, lentamente, deixando um rastro escarlate. Um ardor me fez perceber as garras cravadas que se arrastavam rasgando minha pele. Medo percorreu meu corpo e senti um estranho entusiasmo nos olhos daquela coisa. Gotas de sangue escorriam pelo corte e ensopavam o chão. Lágrimas e gritos eram incentivos e ao mesmo tempo alimentavam a alma daquele ser. Desesperado tentei empurrar a coisa pra longe. Tarde demais, já havia sido invadido pela dor, pela tão conhecida dor, que antes, era até bem vinda.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Outros


E nesse momento, lágrimas caem do meu rosto. As lembranças de uma vida tão distante desprendem-se aos poucos.
Momentos felizes que não são parte da minha vida, não são parte de mim. Outra vida, outro ser, outras pessoas.
Foi real? Me pergunto todos os dias. Parece que não.
Você foi um desejo realizado, com prazo de validade. Quatro, cinco meses de intensa felicidade que hoje são borrões.
Soltem-se, tá na hora, sigam seu rumo e me deixem só com esse buraco. Um dia, talvez, ele cicatrize.

sábado, 10 de março de 2012

Extinguiu-se

Antes minha alegria era como um dom. Antes, bem antes. Hoje ela é apenas uma distante lembrança. Decepções, promessas, ilusões e um coração partido foram necessários pra extingui-la pra longe.

Doces encontros

Reproduzo cenas com você em minha mente a todo instante. Nelas nos encontramos na rua, no ônibus, em uma fila, antes de atravessar o sinal, em qualquer canto. Nos olhamos e naquele instante percebemos que nunca poderíamos viver separados, nos beijamos e nosso mundo está de volta em segundos, assim como antes. O tão esperado final feliz é apenas a consequência. Pena que são apenas cenas reproduzidas. Porém, são elas que me mantém ainda de pé, mesmo depois desse tempo. A esperança é a última que morre, não é isso que dizem por aí?

sexta-feira, 9 de março de 2012

Pouco Me Importa.


Empacote seus problemas em sua velha mochila e enterre-os debaixo do mar. Pouco me importa o que as pessoas possam dizer. O que as pessoas possam dizer sobre mim. Empacote seus problemas, traga de volta seu velho sorriso.
Não se preocupe com a cavalaria. Eu não me importo com o que dizem os sussurros porque eles sussurram alto demais para mim.


- Pack Up, Eliza Doolittle.

terça-feira, 6 de março de 2012

Enquanto Durmo...

A única forma de te sentir novamente é enquanto durmo. Somente lá tenho todo aquele mundo que parecia nunca terminar de volta. Tudo que era tão íntimo, rotineiro, tudo que parecia ser só nosso. Seu cheiro, seus sorrisos, seus abraços apertados, suas piadas sem graça...você. Que minha vida seja uma eternidade de sono.

Alma Cortada.

De repente o vento frio da noite fez meus cabelos chicotearam o rosto lembrando que a dor estava viva e percorria cada milímetro do meu corpo, como uma lâmina feria minha alma e a cada corte ficava claro que a saudade resistia em me abandonar.

domingo, 4 de março de 2012

Novo horário.


Fui despertado por aquela sensação esquisita, de vazio, de falta...com o olhar no teto, depois de alguns segundos, logo reconheci que era aquela dor que sempre me acompanhava. Agarrei o travesseiro com força. Dessa vez ela apareceu pela manhã, normalmente aparecia durante a noite e como de costume me envolveu completamente. Meu peito, vermelho e cheio de arranhões ardia, o burraco nele continuava a doer, mesmo depois de tanto tempo. Lágrimas se formaram em meus olhos, com um esforço dos Deuses evitei que rolassem em meu rosto. As lembranças acompanharam a dança confusa de sentimentos em minha cabeça. Exausto, levantei escovei os dentes e segui com mais um dia de ausência.


Pra você.


Você diz que o ama, mas a todo momento dúvidas e inseguranças surgem sem mais nem menos. Você acha que ele te completa, mas vez ou outra você se pega pensando em algo que falta. Percebe que apesar da "alegria" que sente ao lado dele, sabe que não é felicidade, aquela felicidade pura sem preocupações. Amar é se sentir seguro. É saber que apesar de tudo você pode contar com aquela pessoa. É pensar naquela pessoa e sentir as tais borboletas se remexendo no estômago. É nunca pensar, nem meia vez, em ofender aquela pessoa, quanto mais tratar com frieza. É saber encontar um meio termo em relação aos sentimentos. 
Você viveu, vive e ainda insiste em viver uma ilusão, se usa como desculpa tentando maquiar as dúvidas em sua cabeça. A companhia pode ser agradável mas será que você aguentaria passar 24 horas ao lado dele? O você sente por ele não é amor, é só uma forma diferente de gostar. Mais cedo ou mais tarde você vai perceber e vai se dar conta que, às vezes, esperar é a melhor forma de encontrar algumas respostas. 


sábado, 3 de março de 2012

Falta.





Sinto falta da sua respiração em meu pescoço, do seu hálito fresco e de você sussurrando Eu Te Amo pela manhã.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Desgaste

Minha cabeça é como um prédio velho e desgastado com o tempo e umidade. Pedaços de lembranças caem aos montes assim como reboco se desprende de paredes. As pilastras de sustentação já não são mais as mesmas de antes, elas não conseguem suportar toneladas de emoções que só tendem a crescer. Os danos que no início eram superficiais hoje são profundos e só revelam as rachaduras e o desgaste na estrutura provocado pelos sentimentos. Uma reforma nesse momento não adianta, a estrutura já está ameaçada e só resta um triste e breve fim. 

Tão bom era aquele doce som.

Aos poucos o doce som da tua voz desaparece das minhas lembranças. Toda manhã forço minha mente a manter gravado seus sons. As palavras sussurradas em meu ouvido que ecoavam da sua boca dando voltas ao meu redor me preenchiam e passavam pelos meus ouvidos causando a sensação de conforto e segurança de sempre continuam tocando dentro da minha cabeça. Sinto falta de como minhas pernas tremiam quando ouvia meu nome saltando da sua boca, como meu estômago se remexia e embrulhava quando me abraçava e como meu mundo parecia girar e ficar de ponta cabeça ao ouvir o sincero eu te amo. Só queria ter a oportunidade de falar com você novamente, só pra poder ter o prazer de registrar o doce som da tua voz e reanimar meu coração angustiado.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Familiar Xícara de Café


Você não percebe, mas todos os dias vejo como você se afoga em sua xícara de café. São pensamentos, lembranças e saudades que te sufocam. Vejo sua respiração diminuir a cada piscar de olhos, vejo a dor que te envolve nas lágrimas que não caem, vejo o desespero que cerca os movimentos circulares que faz com os dedos na borda da xícara. Suspiros, profundos suspiros, um atrás do outro revelando suas frustrações e até mesmo o resto de esperança que ainda insiste em sobreviver.

sábado, 21 de janeiro de 2012



E quando me pego mergulhado nos momentos de uma época que parece distante me sinto invadido por uma dor que preenche minha alma, sufoca minhas lembranças e torna a melancolia o único sentimento capaz de habitar meu ser. 

domingo, 15 de janeiro de 2012





É como dizem: Por mais ruim que a situação esteja, bem lá no fundo você sabe que ela mudará e sempre tem algo de bom pra levar disso tudo. É a tal da vida te mostrando que as vezes ela nem é tão complicada assim!